Só pode haver um

capa

Muito se fala sobre a tal polêmica entre Jogos Vorazes e Battle Royale. Fãs do mangá afirmam que Suzanne Collins copiou descaradamente a obra da autoria de Koushin Takami. Mas será que essas duas obras são as únicas a usarem a fórmula de que “apenas um pode sobreviver”?

Além do tema da luta pela sobrevivência citado acima, existem outras semelhanças entre Jogos Vorazes e Battle Royale, assuntos que são claras críticas a sociedade moderna.

Um dos assuntos abordados é a banalização da morte.

A morte se tornou algo banal. Um número. Todos os dias nos deparamos com notícias de mortes em todas as partes do mundo, seja devido a um assalto a mão armada, uma catástrofe natural, ou um atendado terrorista.  Nenhum de nós sente de fato o que está sendo noticiado ali, pessoas perderam suas vidas, é verdade, mas isto se tornou algo cotidiano. Como dizem, ninguém sente o verdadeiro peso da morte até que aconteça com alguém próximo.

Outro assunto que fica em destaque em ambas as obras é o fato de a sociedade ser transformada em um mero espetáculo.

Existem diversos reality shows pelo mundo (mais de 100 só nos Estados Unidos), inclusive um dos programas de maior audiência da TV brasileira é um grande exemplo. Mas por que fazem tanto sucesso? Simples, é uma oportunidade de nos depararmos com uma possível dor alheia. Afinal, estar confinado em um local com vários desconhecidos com diferentes formas de pensamento pode resultar em qualquer tipo de conflito. Isso combinado com o fato de os participantes não terem contato com nenhum de seus parentes e amigos por tempo indeterminado; não estarem atualizados sobre o que acontece com o mundo do lado de fora. Apenas conviver com as mesmas pessoas estranhas dia após dia, torcendo para não ser o próximo eliminado da competição. Surgem reações diversas: Dor, tristeza, agonia… Isso chama nossa atenção. Somos sádicos por natureza.

Confira abaixo alguns exemplos de outras obras que usaram da mesma temática

BTOOOM!

btooom

Conta a história de Ryuta Sakamoto, um jovem  sem grandes perspectivas na vida, mas é um dos melhores e mais famosos jogadores do game on-line de ação ‘BTOOOM!’. Um dia, Sakamoto acorda em uma ilha deserta e, em pouco tempo, percebe que está preso em uma partida real de seu game favorito.

No que se resume o jogo? Vários competidores em uma ilha caçando uns aos outros até a morte, só que com diferencial: as únicas armas permitidas são bombas.

Esse mangá está sendo publicado desde 2009, ganhou uma adaptação em anime em 2012 pelo estúdio Madhouse, e está ganhando sua versão brasileira pela editora JBC.

Deadman Wonderland

deadman wonderland

Igarashi Ganta era um garoto comum com uma vida comum, até que algo bastante inusitado acontece. Todos os seus colegas de classe são brutalmente assassinados por um homem misterioso vestindo vermelho. Por ser o único sobrevivente, ele é o suspeito numero um de ter cometido tal atrocidade. Como se não bastasse, ele é condenado à pena de morte por esse crime que não cometeu e jogado na Deadman Wonderland, uma prisão especial que também serve como parque temático.

Lá dentro, todos os prisioneiros usam colares que injetam veneno em suas correntes sanguíneas constantemente. A única forma de sobreviver é de tempos em tempos ingerir um antídoto em forma de doce.

Além disso, os prisioneiros participam de diversas atrações para divertir os ricaços que patrocinam o local. Uma dessas atrações é uma sangrenta batalha (literalmente) onde dois dos prisioneiros se enfrentam. O derrotado participa de uma espécie de “roleta-russa”, onde uma parte de seu corpo é sorteada e depois extraída de seus corpos.

Deadman Wonderland é da autoria de Jinsei Kataoka (roteiro) e Kazuma Kondou (arte), mesma dupla responsável por Eureka 7. Foi publicado entre 2007 e 2013, contando com 13 volumes no total. Ganhou uma adaptação em anime em 2011 e teve seu último volume publicado este mês aqui no Brasil pela Panini.

Kamen Rider Ryuki

kamen rider

Esta é a décima segunda produção da franquia Kamen Rider. Foi exibida no Japão entre 2002 e 2003 e serviu de base para a adaptação americana intitulada de Kamen Rider: Dragon Knight, no Brasil conhecido como Kamen Rider: O Cavaleiro Dragão.

É a guerra dos Riders. Na história, treze riders recebem um deck de cartas cada um. Os escolhidos lutam dentro do “Mundo dos Espelhos”, que é um mundo paralelo ao nosso habitado por vários monstros. Além das cartas, cada um possui um monstro diferente, que os auxiliam nas batalhas.

Como vocês já devem ter imaginado, os treze riders deverão se enfrentar em diversas batalhas, até que reste apenas um vencedor. Este terá o direito de realizar um desejo.

Konjiki no Gash Bell

zatch bell

Ou Zatch Bell, como ficou conhecido no Brasil, é um mangá escrito e ilustrado por Makoto Raiku. Foi publicado entre 2001 e 2007, ganhando uma versão em anime em 2004, pela Toei Animation. Foi transmitido aqui no Brasil pelos canais Cartoon Network, Jetix e Rede Globo.

A cada mil anos, cem mamodos são enviados a terra para batalharem uns contra os outros ao lado de um humano, cada um carregando um livro repleto de letras estranhas, que são na verdade magias ocultas utilizadas pelos mamodos, sendo reveladas aos poucos ao decorrer da trama conforme o mamomo vai se tornando mais forte. Quanto mais magias despertarem, maior diversidade de ataques o mamodo terá.

Não apenas isso, caso o livro seja queimado, o mamodo desaparece do mundo humano e retorna para o seu mundo. Sendo assim, cada dupla de humano e mamodo se enfrentam em grandes batalhes a fim de queimarem o livro alheio, até que só reste um. O vencedor será coroado rei do Mundo Mamodo pelos próximos mil anos.

Mirai Nikki

mirai nikki

Aclamado por alguns e odiado por outros, esse mangá de Sakae Esuno foi publicado no Japão entre 2006 e 2010. Além de alguns spin-offs, conta com uma versão em anime exibida entre o final de 2011 e meados de 2012. Lançado por aqui pela editora JBC, conta com 12 volumes no total.

Na história, 12 pessoas ganham estranhos celulares chamados de “Diários do Futuro” que, com algumas exceções, conseguem prever o futuro (sério?), cada um de uma forma diferente. Alguns de maneira bem úteis e outros, nem tanto. O ser que presenteou essas pessoas com tais aparelhos é conhecido como Deus Ex Machina e, obviamente, teria algum motivo por trás disso.

Adivinhou? Pois é, os 12 portadores dos celulares devem se enfrentar em embates mortais até que só reste um.  O sobrevivente se tornará o novo Deus.

A Loteria

a loteria

Trata-se de um conto escrito por Shirley Jackson e publicado na revista The New Yorker, em 1948. Causou polêmica e muitos leitores chegaram a cancelar suas assinaturas por causa do texto. Na história, os moradores de uma pequena cidade organizam uma loteria anual – que acontecem todo dia 27 de Junho.

O chefe de cada família deve sortear um pedaço de papel, aquele que pegar o papel que contenha um círculo preto desenhado será o “sortudo”. Depois disso, cada membro da família sorteada participa de um novo sorteio, para saber quem é o escolhido. Depois de todos os preparativos, o escolhido é apedrejado até a morte por todos os presentes, incluindo sua própria família.

O Concorrente

o concorrente

O último exemplo da lista. The Running Man, no original, é um livro escrito por Stephen King – autor de vários clássicos literários como O Iluminado, A Espera de Um Milagre e Carrie, A Estranha – com o pseudônimo de Richard Bachman, lançado em 1982. O livro é uma crítica pessoal da King às necessidades pífias da humanidade, como assistir televisão e sentimentos ardilosos, como o egoísmo.

Na história (que assim como os outros livros do autor que eu citei, também ganhou uma adaptação cinematográfica, protagonizada por Arnold Schwarzenegger), Ben Richards é um homem que decide entrar num perigoso jogo televisivo para conseguir dinheiro para comprar remédios para sua filha moribunda.

No estúdio, Richards conhece Killian, o chefão por trás de tudo, e é lá mesmo que são apresentadas as regras do jogo a Ben, entre elas: ele deve gravar um vídeo dele mesmo duas vezes ao dia e colocá-lo no correio, para mostrar que está sobrevivendo (e assim arriscando sua localização); ele também pode ir a qualquer lugar que quiser, mas para ganhar o prêmio máximo de 1 bilhão, ele deve permanecer vivo por 1 mês inteiro, enquanto é caçado por agentes do programa de TV, e transformado em inimigo do estado.

E aqui eu encerro mais essa matéria do blog – que estava abandonado há um certo tempo (de novo).

Até a próxima.

Anúncios
Esse post foi publicado em Animes, Livros, Mangás e marcado , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s